Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Arroz do Cachorro/Rice of the Dog/Le Riz du Chien/Reis des Hundes

Alegrias, tristesses, Schadenfreude, insanidades e muito spleen

O Arroz do Cachorro/Rice of the Dog/Le Riz du Chien/Reis des Hundes

Alegrias, tristesses, Schadenfreude, insanidades e muito spleen

06
Jan18

Um Final Schmaltz


Don 'Toño

 

Depuratta vivia tranquilamente em qualquer lugar, desfrutando da quietude e beleza do entorno enquanto fazia chá. Certa manhã, uma manhã aparentemente igual a todas as manhãs e sem qualquer ambição própria de ser uma manhã diferente, um jovem de barba branca e longos cabelos azuis viu Depuratta enquanto esta seguia seu ritual diário de preparar chá. E apaixonou-se, ou assim ele pensou.

 

- Olá - disse o jovem, já cheio de esperanças e imagens mentais fantasiosas.

 

- Qual é o teu nome, doce criatura? - continou ele, com ar animado.

 

- Chamo-me Depuratta - foi a resposta, sem qualquer tipo de ênfase.

 

- Depuratta... é um belo nome, ainda que pouco usual - disse, adicionando esta informação às projeções futuras em sua cabeça.

 

- Gosto de pensar que não existe ninguém mais com o mesmo nome; me sinto especial assim - falou Depuratta, com um aspecto orgulhoso e ligeiramente presunçoso.

 

- Um nome especial para uma garota especial... Diga-me, por acaso tens um namorado? - perguntou o jovem, muito animado e sentindo-se galanteador.

 

- Não tenho, e na verdade nunca tive - respondeu, já pouco confiante de que gostaria ouvir o resto do que o jovem tinha a lhe dizer.

 

- Ah, que bom saber... Eu não costumo ser assim... me sentir assim, quero dizer... Mas quando te vi, logo soube que era a garota especial, como a gente lê nos romances e vê nos filmes... - foi dizendo o jovem, graciosamente.

 

- Então... quer ser minha namorada? Prometo que vou sempre te amar e te respeitar, e te dar tudo o que quiser, e limpar suas lágrimas e cobrir o sol quando estiver muito quente, e... - continou ele, cada vez mais inflamado e envolto em devaneios.

 

- Pare! - interrompeu Depuratta, agora enfática - Olha... me desculpa, viu, cara... mas não estou interessada. - completou, virando-se de lado.

 

- Mas... por quê? Por quê não me quer? - indagou o jovem, com a voz queixosa

 

- Não tem nada a ver com você... sou eu. Só não tenho interesse em namorar - disse ela, sem querer ferir sentimentos.

 

- Não me achou bonito, não é? Porque os meus cabelos e barba não são da mesma cor, não é? - inquiriu ele, com tom quase acusativo.

 

- Não, cara... o que acho de ti fisicamente não importa... não é relevante... como eu disse, não tenho interesse nisso, só quero continuar fazendo o que gosto: preparar e beber chá. - explicou Depuratta com honestidade.

 

- Mas todos procuram sua metade, sua alma gêmea... por que você seria diferente? Eu não acredito! Me achou chato, não é? Pode dizer a verdade... - disparou o jovem, já mostrando uma certa irritação, e demonstrando que as fantasias anteriores começavam a se desfazer

 

- Olha... nem todos procuram sua "metade"... algumas pessoas se sentem completas simplesmente por serem quem são... e as que não se sentem assim deveriam primeiro buscar esse sentimento de completude sem depender dos outros, sabe? - disse-lhe Depuratta, agora tomada de compaixão por ver o quão fora da realidade vivia o jovem.

 

- Não... NÃO! Essa completude que mencionou... desse jeito... não é possível. Eu nunca senti isso ou conheci alguém que se sentisse assim... É mentira! - argumentou o jovem, muito inquieto e tomado por insegurança - Sei que me achou chato... e como não acharia? Nem me deu uma chance de mostrar como eu sou de verdade! Me fez falar desse jeito chato! - completou.

 

Depuratta agora não sabia o que fazer ou dizer. O jovem era cheio de ilusões e conceitos formados a partir de uma visão de mundo limitada e inflexível. Seus pensamentos e atitudes eram manifestações puras de egocentrismo. E agora, como se não bastasse, ele ainda a culpava por uma percepção que construíra de si mesmo como sendo chato. E ela teve pena, mas, ao mesmo tempo, ainda que sem querer, o achava chato mesmo.

 

Decidiu que era melhor voltar a ocupar-se do que lhe interessava e do que sabia como lidar, e retomou o preparo do chá.

 

- Ah, agora ainda vai me ignorar, é isso? Vai bancar a indiferente? - manifestou-se o jovem, agora completamente alterado e com o semblante e a postura completamente irreconhecíveis diante do que havia mostrado anteriormente

 

- Eu te amo! Eu te AMO! E tu me despreza... Não sei como me apaixonei assim por uma puta como tu. Sua vadia suja! - explodiu com raiva.

 

Depuratta agora sabia que o jovem era muito perturbado e o esforço para que um dia ele pudesse agir decentemente e fosse feliz seria demasiado, e que ela não seria capaz de ajudar. E já estava farta daquilo, mas continou preparando chá. Agiu como se ele não estivesse mais ali despejando todas as ofensas que habitualmente os machos desferem contra as fêmeas.

 

- Eu vou ficar aqui até que demonstre alguma coisa, ouviu, sua piranhazinha? EU TE QUERO! EU TE AMO E QUERO TE COMER! SEU DEPÓSITO DE...

 

Depuratta abriu a despensa onde guardava seus apetrechos para o preparo de chá e outras coisas que julgava importantes de se guardar, pegou uma escopeta que guardava atrás dos pacotes de bolo instantâneo e disparou contra a cabeça do jovem, espalhando e misturando o branco da barba e o azul dos cabelos com o vermelho do sangue que jorrava copiosamente.

 

Agora aliviada, Depuratta pôde terminar o ritual de preparo, e, enfim, tomar chá em paz e feliz com seus amigos chazinhos.

 

- FIM DO PRIMEIRO E ÚNICO ATO

 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D